Siga por Email

quinta-feira, 21 de junho de 2012


Para maiores informações, acessem: https://www.facebook.com/neimar.dossantos.3

sábado, 16 de junho de 2012

Romaria Divino Pai Eterno / 2013


Especial Turismo

Divino Pai Eterno - Trindade/GO
Saída: 12 de julho 2013 às 18:00h
Retorno: 14 de julho 2013 às 20:00h


(estadia completa*)

Contato: 31 3714-3602 / 31 9882-6848

terça-feira, 12 de junho de 2012

Abertas inscrições para o Seminário Nacional Juventude e Bioética, promovido pela CNBB


De 13 a 15 de julho, em Brasília, as Comissões para Vida e Família e para a Juventude, da CNBB, vão promover o Seminário de Juventude e Bioética. O objetivo é aprofundar os conhecimentos sobre temáticas como aborto, anencefalia, células tronco embrionárias e eutanásia. 
As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até o dia 1º de julho clicando neste link.. O valor é R$ 150,00 e dá direito à alimentação e a materiais do evento. Para quem desejar, será oferecida hospedagem em casa de família, com custo zero, o que deverá ser informado no ato da inscrição.
O seminário será voltado a jovens ligados aos diversos campos da bioética: saúde, educação, direito, filosofia, psicologia, ciências sociais etc.
Já estão confirmadas as presenças de Dom Fernando Chomali, da Pontifícia Universidade Católica do Chile; Frei Antônio Moser e Dra. Lenise Garcia, membros da Comissão de Bioética da CNBB; e de Dom Eduardo Pinheiro da Silva e Dom João carlos Petrini, presidentes, respectivamente, das comissões para a Juventude e para a Vida e Família.
As questões relacionadas à bioética tem ganhado cada vez mais relevância no Brasil. Recentemente houve a liberação, pelo Supremo Tribunal Federal, do aborto em casos de anencefalia e do uso de células-tronco embrionárias, além da geração por reprodução assistida de uma criança para ser doadora para a irmã. Além disso, uma comissão de juristas nomeada pelo Senado Federal decidiu propor o aumento de casos em que o aborto não será punido, incluindo a incapacidade psicológica da mãe. Diante de tantos desafios, fazem-se cada vez mais atuais as palavras do Papa Bento XVI:
“Convido-vos a seguir com particular atenção os problemas difíceis e complexos da bioética. As novas tecnologias biomédicas interessam não somente a alguns médicos e pesquisadores especializados, mas são divulgadas através dos modernos meios de comunicação social, provocando esperanças e interrogações em setores sempre mais vastos da sociedade”.
Seguindo esse chamamento, as duas comissões da CNBB começam a preparação do Seminário de Juventude e Bioética. O evento é mais um passo de preparação para a Jornada Mundial da Juventude Rio 2013. Mais informações sobre a programação  serão dadas no site dos Jovens Conectados.
Serviço:
Seminário Nacional Juventude e Bioética - clique para se inscrever
Tema: Os desafios da Bioética e o protegonismo do Jovem Católico
Iluminação Bíblica: "Escolhe, pois, a vida" (Dt 30,19)
Data: 13 a 15 de julho
Local: Centro Educacional Maria Auxiliadora (Cema) - 702 Sul, Brasília, DF


Confira a programação*:


SEXTA-FEIRA - 13/07/2012

15h00 - Missa - Pe. Sávio
16h30 - Missa - Pe. Rafael
16h00 - Credenciamento
18h00 - Jantar
19h30 - Abertura Oficial (composição da Mesa – Dom Petrini, Dom Eduardo, Dom Chomali, Dom Antonio Augusto, Padre Sávio, Dra Lenise) 
20h00 - 1ª Palestra – O sentido do humano na contemporaneidade (Dom Chomali) 
21h00 - Intervalo
21h15 - Perguntas, moderador Dom Antônio Augusto
22h00 - Apresentação Teatral “O Canto das Irias” – Comunidade Shalom
22h40 - Encerramento

SÁBADO - 14/07/2012

08h15 - Animação
08h25 - Introdução à mesa.
08h30 - 2ª palestra - Transmissão da vida e manipulação genética – F. Moser, Drª. Cláudia e Dr. Paulo de Tarso Ribeiro, Moderador Márcio Rojas.
10h00 - Intervalo 
10h30 - Perguntas, moderador Márcio Rojas
11h00 - Partilha de experiência – Promotores da Vida I
11h25 - Intervalo
11h30 - Missa Dom Antônio Augusto
12h30 - Almoço
14h00 - Partilha em grupo por regiões 
14h50 - Introdução à mesa.
15h00 - 3ª palestra - Abraçar a Vida e as situações de sofrimento - Dra. Lenise e Dom Petrini, moderador Pedro Spinetti
16h00 - Intervalo 
16h30 - Perguntas, moderador Pedro Spinetti
17h00 - Partilha de experiência – Promotores da Vida II
17h30 - Fechamento do dia – Pe Sávio 
18h00 - Jantar
19h30 - Atividade cultural– Filme BELLA

DOMINGO - 15/07/2012

08h15 - Animação 
08h30 - Palestra “Pistas de ação” - Pe Rafael
09h00 - Perguntas e Respostas: Dom Chomali, Dom Antonio Augusto, Dra Lenise Dom Petrini, Pe Rafael moderador
10h00 - Intervalo
10h30 - Comissões episcopais Juventude – Dom Eduardo, Vida e Família – Dom Petrini / Pe Rafael  e JMJ – Pe Sávio.
11h30 - Avaliação Final – Dra Milena e Dr Cássio – CBAm
12h00 - Missa final – Dom Eduardo Pinheiro da Silva
13h15 - Almoço e despedida.

* Programação sujeita à alteração sem aviso prévio.

Casais que vivem de forma diferente a sexualidade

namoro

Namorados, noivos e até casais casados vivem a castidade. Uma alternativa pouco comum, mas que pode aumentar até a união do casal


O aspecto sexual nas relações é algo presente diariamente em conversas, na televisão, nas revistas e na internet. Entretanto, existem casais de namorados, noivos e até mesmo casados que buscam viver uma relação diferente. São aqueles que vivem a castidade. Eles afirmam que esse estilo de vida une mais o casal, aumenta o respeito mútuo e a segurança quanto à fidelidade, além da motivação e ao mesmo tempo o benefício maior, que para eles é ter a certeza de que estão fazendo a vontade de Deus.

Parece estranho pensar em casais que namoram há anos e não têm relação sexual, mas isso existe. Para as pessoas que buscam viver a castidade, a relação sexual só ganha sentido no casamento, pois de acordo com a doutrina católica o sexo é algo bom, mas que deve ser feito unicamente com dois sentidos: o unitivo que reflete o dom de entrega total entre os esposos, e o procriativo que implica na abertura à geração de filhos.

No caso dos namorados Gabriela Lobo, 23 anos, estudante de medicina, e Fábio Reis, 23 anos e também estudante de medicina, a castidade é vivida no namoro, fase em que, de acordo com os princípios de vida do casal, ainda não é o momento certo de viver a relação sexual. Os dois são católicos praticantes e namoram há quase sete anos nesse estilo de vida.

Viver a castidade para Gabriela não era um mistério, pois já vinha de uma formação cristã desde pequena, mas para Fábio no início foi complicado. “A primeira dificuldade foi a minha aceitação, porque eu não via sentido nisso. No início só aceitava pela Gabriela. Com o tempo percebi que precisava ser uma convicção pessoal”, relata. A jovem afirma que para convencê-lo foi todo um processo para explicar que “a castidade é um estilo de vida que ajuda a crescer como um todo, no respeito pelo valor do corpo do outro, na maturidade afetiva do casal e principalmente para crescer no amor.”

Para o casal a castidade é uma luta diária. Fábio conta que a pressão dos amigos para se desviar desse caminho sempre foi muito forte. “Desde o início e até hoje sempre existem aqueles que não acreditam que nós procuramos viver isso. Alguns falam que não têm problema fazer, pois é só mais uma forma de mostrar quanto nos gostamos ou até que eu preciso aproveitar a vida, e que os homens têm suas necessidades.”

Mesmo com essas influências e pensamentos diferentes, ele garante que a coerência com os ensinamentos da Igreja e saber que estão fazendo a vontade de Deus são as principais motivações para perseverar na castidade. “Viver dessa forma somente pelo racional, uma hora vai perder o sentido. Além da fé e das boas conseqüências para o nosso namoro e da certeza de que vamos colher um casamento mais sólido no futuro, temos muitos amigos que procuram viver o mesmo, e isso motiva muito”, assegura.

Essa vivência de fé, conta Gabriela, é feita ao participarem da missa, na confissão freqüente e com a orientação de um padre também. Já no aspecto mais humano, ela afirma que para não ceder “às tentações do corpo” ela cuida da roupa que está usando, certas formas de dançar, de sentar, de falar, e até carícias que vão estimular o outro. “Não que eu não queira estar bonita para o meu namorado, mas eu preciso saber o limite, e ajudar também para que ele consiga viver isso com coerência”, diz.

Mesmo com esses cuidados, os dois afirmam que vivem momentos românticos e se divertem como qualquer outro casal. “Nas datas especiais sabemos que estamos mais vulneráveis, e nosso limite é o mesmo de sempre. Lógico que não vamos para um motel no dia dos namorados”, revela Fábio. Gabriela diz que fazem viagens “somente com amigos ou família para evitar dormirem sozinhos no mesmo quarto.”

A castidade para os noivos
Para esses casais a transparência quando o assunto for sexo é muito necessária. Mesmo sem ter intimidade física, eles acabam tendo intimidade ao serem sinceros quando estão mais vulneráveis e precisam tomar mais cuidado para seguirem os próprios princípios. O casal de noivos, servidores públicos, que já namoram já quase oito anos e que vão casar em menos de duas semanas, Priscila Coelho, 26 anos, e Gustavo Ribeiro, 26 anos, a sinceridade nesse aspecto sexual tira todas as máscaras que poderiam existir em um relacionamento. “Nós sempre conversamos muito sobre tudo, somos muito amigos. Sabemos buscar prazer em outras coisas e dar valor a momentos que de pequenas tornam-se grandiosas”, afirma Priscila.

Ela conta com entusiasmo como está sendo especial essa fase do noivado para os dois. “ Tudo o que estamos preparando, cada detalhe do casamento, o planejamento da lua de mel, da vida a dois, a montagem do apartamento, a preparação da cerimônia. Tudo tem um significado muito maior.”

Para o psicólogo e terapeuta Marcelo Tomokiti, 30 anos, as maiores dificuldades para quem busca viver a castidade é a “cultura predominante na sociedade hoje que prega o próprio prazer como o supremo bem da vida humana”, afirma. Para vencer essas dificuldades, Tomokiti assegura que é necessário “o autoconhecimento e o fortalecimento das próprias convicções.”

A castidade no casamento 
Os noivos são aconselhados pela doutrina católica a viverem essa virtude também no matrimônio. As motivações são as mesmas desde o namoro, sendo a principal o seguimento dos ensinamentos da Igreja Católica. Entretanto, um aspecto particular da castidade no casamento diz respeito às formas de planejamento familiar, isto é, os casais utilizam apenas com os métodos naturais e não uso de preservativos ou remédios anticoncepcionais para evitar a gravidez. O casal casto que não planeja ter filhos em um determinado momento, tem relação sexual quando a esposa não está em período fértil, e durante os períodos férteis, vivem em abstinência para que não precisem utilizar de métodos artificiais que não são aceitos pela doutrina católica.

Luciana Chagas, 24 anos, dona de casa, e Renato Chagas, 25 anos, empresário, estão casados há dez meses, acabaram de ter a primeira filha e vivem a castidade no casamento. “A castidade no matrimônio, antes de ser somente o uso de métodos naturais, significa primeiro ter um lugar no coração reservado para amar a Deus e um lugar reservado para amar ao cônjuge. É uma sexualidade vivida de acordo com a dignidade da pessoa, com o valor que ela tem por si só”, explica Renato.

De acordo com Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, que defende o uso dos métodos naturais, algumas das formas mais comuns são: o “calendário”, que permite obter, mediante cálculos matemáticos, os dias de fertilidade do casal; o método da temperatura corporal da mulher devido ao aumento hormonal da progesterona; e o método billings, que reconhece o período fértil da mulher pela observação diária de uma secreção natural da mulher que varia de acordo com o ciclo menstrual e que fica mais evidente no período fértil, de ovulação. No caso da Luciana, ela utiliza o método billings juntamente com o da temperatura basal.Como ela está em período de gravidez, Renato afirma “que é mais fácil viver esse momento de abstinência, justamente pelos dois terem vivido um namoro na castidade.” E Luciana garante que isso traz muito mais segurança na fidelidade do casal. “Sei que mesmo não podendo ter uma relação sexual em alguma época do casamento, isso não vai levar o meu marido a buscar outra pessoa, ou até mesmo procurar obter prazer sozinho, com filmes pornográficos ou revistas.É uma fidelidade que busca ser completa, não somente em relação a traição com outra pessoa, mas em pensamentos e atos individuais.”

Por Cláudia Lafetá para o Jovens Conectados 

Arquidiocese de Belo Horizonte organiza Semana Missionária rumo a JMJ Rio2013


bote_fe_BHA arquidiocese de Belo Horizonte (MG) está preparando a Semana Missionária - encontro que antecede a Jornada Mundial da Juventude a ser realizada no Rio de Janeiro no próximo ano. A Semana Missionária deve reunir milhares de jovens, na capital mineira, entre os dias 15 e 21 de julho de 2013, e a expectativa é de que 25 mil jovens participem do evento.
O propósito é o de envolver a juventude do mundo inteiro nos projetos mais especiais, particularmente as ações sociais. Além dessas atividades, os jovens vão conhecer e participar de nossos trabalhos na área da evangelização e da cultura. Serão momentos de troca de experiências e de crescimento na fé, sempre pensando no compromisso da JMJ: legado permanente de um trabalho contínuo para a juventude.
Duas campanhas estão sendo desenvolvidas pela arquidiocese para preparar a estrutura de acolhida a todos esses jovens: Campanha Conte comigo - convida todos os jovens a contribuírem voluntariamente com suas habilidades para tornar a Semana Missionária inesquecível; e Campanha Minha família recebe um peregrino, que convida as famílias a receberem os jovens em suas casas durante a Semana Missionária, com a típica acolhida mineira.
Vem aí o site da Semana Missionária com mais informações e os espaços para o cadastro dos voluntários.
Fonte: Texto CNBB / Foto: Fabiano Fachini

domingo, 10 de junho de 2012

Credo da PJ

Ousamos crer?
Sim, ousamos!
Ousamos crer na juventude que ri, que canta, que se faz presente na luta e na esperança, que ousa trilhar os caminhos de uma vivência solidária, que abre o seu coração aos valores do Evangelho.
Ousamos crer num Deus presente "no sopro tênue da realidade", encarnado nos homens e nas mulheres de boa vontade, num Deus amigo que derrama Seu Espírito sobre a Juventude, que transforma nossa indiferença em inquietação.
Ousamos crer na família que educa com liberdade, responsabilidade, ternura, que acolhe, que cuida, que respeita as diferenças, que possibilita a todo ser humano tornar-se único, sensível, fantástico, imprescindível.
Ousamos crer?
Sim, ousamos!
Ousamos crer numa sociedade igualitária onde as pessoas despertam para a gratuidade, construam relações mais justas e solidárias, redescubram os valores que as aproximam do Maravilhoso.
Ousamos crer numa educação Libertadora, crítica e de base, que possibilite a socialização do saber, que use o tom da alegria no seu jeito de educar, que aposte na criatividade, na paixão, no humor, na arte, na poesia e em tudo que esteja a serviço da vida.
Ousamos crer na política como missão e serviço, numa igreja que saiba viver apaixonadamente sua opção pelos jovens e pelos pobres no testemunho de quem vive e proclama, no protagonismo da juventude militante que, indignada diante das injustiças, traz consigo força, garra e ação transformadora.
Ousamos crer na possibilidade de construirmos e vivermos um grande projeto, que se fundamente na prática libertadora de Jesus Cristo, no humilde jeito de ser e servir de Maria e em nosso coração de aprendiz.
Sim, ousamos crer...!
E desejamos que nosso credo se concretize em nosso corpo, em nossa mente e em nossa vida.

Amém!